sexta-feira, 21 de março de 2008

Pax Americana: imperialismo moderno

A Pax Americana pode ser definida, basicamente, como o triunfo do Capitalismo. Antes da queda do Muro de Berlim, o mundo era divido em dois blocos econômicos: de um lado, os países capitalistas, liderados pelos Estados Unidos, e do outro lado, os países socialistas, influenciados pelo regime da União Soviética. A Alemanha conviveu com os dois modelos econômicos até 1989. Em Berlim, o país era dividido em República Federal da Alemanha (capitalista) e República Democrática Alemã (socialista). Após a queda do Muro, houve um intenso movimento de refugiados em direção ao mundo ocidental. A Pax Americana, para o doutor em Direito Internacional, Guilherme Sandoval Góes [1], é “um conceito geopolítico, cujo significado é a imposição de um cenário internacional unipolar com predominância cêntrica norte-americana em todos os campos do poder nacional (político, econômico, militar, cultural e tecnológico)”. Ou seja, na condição de líder do bloco triunfante, os Estados Unidos poderiam impor ao mundo seu modelo econômico-social.

Certamente, a idéia de que vivemos submetidos à Pax Americana é questionável. Os Estados Unidos não tem condições de unificar ou polarizar todas as diferentes culturas das diversas nações. Por outro lado, o Capitalismo é mesmo a Ordem Econômica Vigente na maior parte do mundo e determina um estilo de vida para a maioria dos seres humanos. Também é inegável a superioridade militar americana e a interferência política de Washington em diferentes pontos do globo. Na América Latina, onde boa parte da população é vítima do sistema capitalista, muitos governos de esquerda surgem com a missão de corrigir injustiças históricas e, muitas vezes, contestando o regime americano. São governos socialistas, no sentido de priorizarem a questão social, almejando uma sociedade mais equânime. Atualmente, os Governos de Brasil, Chile, Argentina, Equador, dentre outros, assumem claramente o compromisso com crescimento econômico, para distribuir melhor as riquezas destes países. Venezuela, Bolívia e Panamá, hoje, geram grandes preocupações para a administração Bush.

Na Colômbia, entretanto, a situação é outra. O Governo Álvaro Uribe já recebeu apoio americano em diversas ocasiões [2]. Este mês, no maior confronto recente entre países latinos, o exército da Colômbia entrou em território equatoriano, sem pedir permissão, numa investida contra as Forças Revolucionarias da Colômbia. Na ação, 17 guerrilheiros foram mortos, dentre eles, Raúl Reyes, porta-voz tido como o número dois das Farc, que se empenhou nas recentes libertações de reféns políticos. O presidente do Equador, Rafael Correa, declarou que “o território equatoriano foi ultrajado e bombardeado por um ataque aéreo e a posterior incursão de tropas estrangeiras”, considerou que esta foi “a pior agressão que o Equador já sofreu da Colômbia”, e solicitou uma reunião de emergência da Organização de Estados Americanos (OEA) e da Comunidade Andina de Nações (CAN). Correa não aceitou as explicações e o pedido de desculpas de Uribe, expulsou o embaixador colombiano do Equador e enviou tropas para defender as fronteiras [3].

No Brasil, Lula avaliou que o presidente da Colômbia violou a soberania territorial do Equador [4], mas acredita que o problema deve ser solucionado por vias diplomáticas [5]. Já nos EUA, Bush posicionou-se enfaticamente ao lado de Uribe [6]. Hoje, penso que os EUA têm menos interferência sobre os países latinos – com exceção da Colômbia, é claro, que continua recebendo assistência e treinamento militar norte-americano, alegando que precisa combater o tráfico de drogas. Sendo que Álvaro Uribe é acusado de ter, ele próprio, ligações com narcotraficantes, como mostrou matéria do Fantástico [7]. De todo modo, não podemos esquecer que, no passado, esta mesma interferência de Washington em nosso continente já esteve a serviço das Ditaduras Militares. Com o discurso de promover desenvolvimento, defender os valores católicos e proteger a população da ameaça diabólica do comunismo, uma onda ditatorial alastrou-se sobre os países latinos, na segunda metade do século XX, sempre com o suporte dos Estados Unidos.

Segundo o documentário “The War On Democracy” [8] (John Pliger, 2007), desde 1946, os EUA já tentaram derrubar 50 governos, muitos deles eleitos democraticamente pelas suas populações. Durante este processo, 40 nações foram atacadas, invadidas e bombardeadas, causando incontáveis mortes. Na América Latina, dezenas de países sofreram interferência política dos Estados Unidos, direta ou indiretamente, o que levou ditadores ou líderes pró-americanos aos governos destas nações. Neste período, os países latinos modernizaram-se e as diferenças sociais foram intensamente aprofundadas. Os direitos humanos eram constantemente violados e milhares de cidadãos foram assassinados ao questionarem estes regimes. Ainda hoje, o Governo americano lança mão de estratégias político-econômicas para alimentar seu imperialismo nas regiões mais pobres do mundo. Entretanto, a Democracia liberta uma força, a força de uma gigantesca população que luta diariamente por uma vida mais digna. Esta força não pode ser derrotada!


[1] Doutorando em Direito Internacional pela UERJ. Professor de Direito Constitucional da Universidade Estácio de Sá.

[2] http://noticias.uol.com.br/ultnot/efe/2007/04/20/ult1808u90339.jhtm

[3]http://www.brasildefato.com.br/v01/agencia/especiais/equador-colombia/colombia-detona-crise-no-continente-em-operacao-contra-as-farc

[4] http://noticias.uol.com.br/ultnot/brasil/2008/03/04/ult1928u5355.jhtm

[5] http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u378875.shtml

[6]http://www.jornaldamidia.com.br/noticias/2008/03/12/Mundo/Bush_ratifica_apoio_a_Uribe_e_cri.shtml

[7] http://br.youtube.com/watch?v=_idSpsS19RQ

[8] http://crapula-mor.blogspot.com/2008/03/pax-americana-imperialismo-moderno.html


6 comentários:

  1. Muito bom este artigo. Serei um visitante assiduo do teu blog e tambem vou inclui-lo nos meus preferidos.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. É sempre assim, os EUa sempre se metendo onde não são chamados e ainda por cima apoiando tudo q é causa doida e errada! E com esse problema financeiro, só me resta estar com medo por não saber até q ponto isso pode ou não influenciar o mundo! Mas fazer o que? eles são a potência né? A gente tem mais é que esperar, e esperar e esperar....

    ResponderExcluir
  3. Os atuais governos sul-americanos incomodam muito os Estados Unidos. E eu acho bom que vários governos subdesenvolvidos, num mesmo continente, mostrem força contra a hegemonia americana. Não sei ao certo se chegam a ser uma ameaça, mas, só de incomodar um pouco os tão temidos USA, já vale a pena.

    ResponderExcluir
  4. EDUARDO TERRA COELHO28 de março de 2008 13:04

    RRPVAMGPZNConheço esse termo "pax americana", que não é nem sombra do que foi a pax romana. Jamais terá a mesma grandeza, pois nem mesmo a pequena Europa voltou a ser unificada na forma preconizada pelos antigos césares, que deixo como herança na medieval e modernas Europa os kaiser e os czares.

    Após a queda do socialismo que realmente existiu nos moldes burocráticos do socialismo, elegeram os narcotraficantes e os islâmicos e terroristas como novos inimigos. Mesmo sabendo que para derrotar as milícias dos Panteras Negras na década de 70, usaram das drogas, que Cuba pré-Fidel era um bordel a céu aberto regado pelos narcotraficantes e que Uribe tem mais de tráfico de drogas que as FARC.

    Pax americana seria mais honesto ser continua guerra amaerciana...

    ResponderExcluir
  5. Otimo trabalho de pesquisa para desenvover esse artigo. Só achei que você foi superficial na conclusão. Afinal, pre supõe que o que temos na maior parte do mundo é uma verdadeira democracia.

    Refletindo um pouco mais e analisando a história desse termo "democracia" penso que, talvez, o que temos hoje seja de fato isso (democracia), mas o que precisamos é algo muito mais avançado do que isso, afinal, liberdade de voto onde os votantes são conduzidos a um pensamento uniforme e pausteurizado não nos serve de nada. Liberdade de voto quando as opções são todas iguais eu dispenso.

    ResponderExcluir
  6. só pra complementar:

    O correto seria Pax-Capitalista já que o imperialismo não é propriamete só dos EUA, mas sim do sistema economico e social que o mundo inteiro adota.

    ResponderExcluir